domingo, 25 de maio de 2014

Telhados


















A paisagem infinita dos telhados e cúpulas
guardam a alegria infinita da vida.
Os grafites dos muros guardam esfinges
e as bocas feridas de frio
saúdam a multidão imaginária.
Mas pode-se conquistar o céu
no vento suave de um janeiro qualquer.
Longe dos olhares intrometidos
e do teatro das marionetes
pode-se desejar todas as coisas lindas,
todas as imagens plantadas na memória
pela televisão e pelas novelas.
Do outro lado, pode-se beijar em público
sem as faíscas dos olhares.
Pode-se cometer indecências em beijos e risos.
Pode-se confiar que tudo dará certo além das palmeiras
povoadas por cachos de cabeças que olham para baixo.


.

3 comentários:

  1. Muito bom o blog, estão de parabéns por esse conteúdo ótimo!

    ResponderExcluir
  2. Grato, Ana. É sempre bom poder contar com a sua presença motivadora! Abraços.

    ResponderExcluir

Reverbere!