domingo, 1 de dezembro de 2013

Felicidade















No jardim espalhado do espaço,
as rosas dos raios serão colhidas
quando assoprarem-se as assertivas.
Não demorará muito para se ouvi-las.
Será o silêncio impossível
da árvore, em primavera, que
apenas num sorriso assevera o seu grito.

E quando alguma rosa tecer um halo
de fiapo de uma veste de anjo,
alguém a avistará
entre uma distância e outra
e perguntará, numa esperança tola:
Será este o presente que me deste?

Mas não é presente apenas para
uma pessoa este canto.
É uma voz que ressoa
e que deve se espalhar numa chuva
feito vento, feito graça,
feito gesto de buda.


.

4 comentários:


  1. tempestade de vida na
    temperança das rosas

    abs mano Bispo

    ResponderExcluir
  2. Grato, mano Marcus Pizano. É a própria esperança numa chuva de rosas! Abração.

    ResponderExcluir
  3. Agradeço, Ma Ferreira! Lindo também são os seus versos. Seja sempre bem vinda! Beijocas.

    ResponderExcluir

Reverbere!